A empresa francesa CMA CGM admite a possibilidade de encerrar de forma definitva as suas operações no Rio Grande do Norte. É ela a única a realizar exportação de cargas do Porto de Natal para a Europa. A suspensão das atividades no mês de março já teria sido comunicada pela companhia aos fruticultores potiguares.

Segundo reportagem da Tribuna do Norte, a CMA CGM responsabiliza a "situação precária" do Porto natalense para a "contaminação" de cargas com "altas quantidades de substâncias ilícitas". A referência é a apreensão de 3,2 toneladas de cocaína no local há alguns dias, a droga seria levada por via marítima para a Holanda.

"Diante da situação precária do Porto de Natal que, evidentemente, aumentou tais riscos de contaminação, o grupo CMA CGM se encontra em um impasse, pois por um lado desejamos continuar contribuindo com o desenvolvimento da região Nordeste e atender nossos clientes locais, principais exportadores de frutas do Brasil, por outro lado não podemos permanecer nesta situação de risco que além de comprometer nossa atividade, está contra os princípios defendidos pela CMA CGM", aponta a carta endereçada pela companhia a várias autoridades, entre elas a governadora Fátima Bezerra (PT), a qual a Tribuna teve acesso.