O ex-candidato petista à Presidência do Brasil, Fernando Haddad, foi ao Twitter provocar a família de Jair Bolsonaro em razão da morte do miliciano Adriano da Nóbrega, na madrugada deste domingo (9), na Bahia.

Foragido desde janeiro do ano passado, ele é apontado como chefe do "Escritório do Crime", milícia suspeita pela morte da vereadora do Rio Marielle Franco (PSOL) e seu motorista Anderson Gomes, assassinados em março de 2018.

Adriano trabalhou no 18º Batalhão da PM com Fabrício Queiroz, o ex-assessor de gabinete de Flávio Bolsonaro, investigado por lavagem de dinheiro no esquema de "rachadinha" na Assembléia Legislativa do Rio (Alerj). A mãe e a filha de Nóbrega trabalhavam no gabinete do filho do presidente e teriam sido contratadas por Queiroz. Segundo o Ministério Público, o milicano ficava com parte do pagamento delas.

LEIA MAIS:

Ex-PM ligado a suposto esquema de 'rachadinha' e morte de Marielle é morto na BA