O mercado automotivo brasileiro continuará com preços elevados enquanto houver a guerra na Ucrânia, falta de componentes e a inflação global.

Esta é a avaliação do analista e especialista do setor automotivo, Flavio Padovan.

Em entrevista à CNN Rádio, ele explicou que a situação dos chips semicondutores – utilizados em aparelhos eletrônicos, eletrodomésticos e automóveis – “deve durar até o segundo semestre do ano que vem.”

A situação foi agravada com “sucessivos lockdowns na China, e pela situação da Ucrânia e da Rússia, que são produtores de paladium e gás neônio, importantes para a produção.”

Ao mesmo tempo, o especialista acredita que a produção do chamado “carro popular” não deve ser retomada tão cedo.

“O que acontece é que com a crise as montadoras acabaram dirigindo a produção para os veículos de maior rentabilidade para minimizar os efeitos da crise, os populares acabaram desaparecendo do mercado”, disse.

Ele afirma que é complicado responder quando a situação poderá se inverter: “Acho difícil no curto e médio prazo, podemos minimizar, voltar a focar em produtos de valor agregado mais baixo, mas enquanto durar a guerra, tivermos inflação global e falta de componentes, é um conjunto que pressiona preços para cima.”

De acordo com Flavio Padovan, o impacto financeiro de toda essa conjuntura é “muito grande” e ainda incalculável para as montadoras brasileiras.

Com informações da 98 FM