20190813205920sjuukg.jpg

13/08/2019 20:59

Multidão volta às ruas de Natal em protesto contra cortes da Educação

Fotos: Sinte-RN

Multidão volta às ruas de Natal em protesto contra cortes da Educação

Um novo tsunami da educação tomou as ruas de Natal, do interior do Rio Grande do Norte e de todo Brasil nesta terça-feira 13 de agosto de 2019. De acordo com o site Diário do Centro do Mundo, as 26 capitais dos Estados mais o Distrito Federal registraram manifestações. Segundo dados do portal, ao menos 150 cidades pelo país tiveram alguma atividade.

Em Natal, o ato unificado reuniu centenas de pessoas entre trabalhadores em educação, estudantes e profissionais de diversas áreas. A direção estadual do SINTE/RN e representantes de regionais estiveram presentes. A CUT/RN, outras centrais sindicais, sindicatos, movimentos sociais e estudantes e frentes também participaram. Como de praxe, a marcha iniciou em frente ao IFRN da Avenida Salgado Filho. Entretanto, desta vez sob um clima chuvoso. A caminhada percorreu a BR-101 até se dispersar na Praça da Árvore de Mirassol, Zona Sul da capital, após cerca de duas horas e meia de duração.

Interior também se manifestou

Não foi só a capital do RN que registrou atividades relativas ao Dia Nacional de Paralisação Contra a Reforma da Previdência e os cortes na educação. Em Mossoró, segunda maior cidade do Estado, teve movimento pela manhã e regional do SINTE/RN esteve presente. Em João Câmara a aula foi na rua, a exemplo de Canguaretama. Em Lagoa Nova uma assembleia da educação debateu os reflexos da Reforma da Previdência na vida dos trabalhadores. Em Açu, mais precisamente no Campus da UERN, também teve debate sobre o tema. Pau dos Ferros foi outra cidade que se manifestou.

Pauta estadual foi debatida em ato pela manhã em Natal

Aproveitando o dia de luta, o Fórum Estadual dos Servidores promoveu um ato unificado em frente à Governadoria, no Centro Administrativo de Natal. A atividade começou com um café da manhã da resistência e se estendeu por toda manhã. O objetivo foi cobrar do governo o pagamento das três folhas deixadas pela gestão passada, o aumento de 16,38% para todas as categorias, a apresentação de um calendário de pagamento e a realização de concurso público. A atividade reuniu trabalhadores que tomaram a rampa da Governadoria em uma demonstração de luta e unidade.

PUBLICIDADE

MAIS ACESSADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS