20191107170856uAgk60.jpeg

08/11/2019 06:58

Projeto para implantação de parque tecnológico é apresentado na Assembleia

Projeto para implantação de parque tecnológico é apresentado na Assembleia

O projeto para a implantação do Parque Científico Tecnológico do Rio Grande do Norte Augusto Severo (PAX) foi apresentado na manhã desta quinta-feira (7) aos deputados da Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia, Desenvolvimento Econômico e Social da Assembleia Legislativa (CECTIDES). A coordenadora do projeto e ex-reitora da UFRN, Ângela Maria Paiva Cruz, e o diretor da Agência de Inovação (AGIR), Daniel Pontes, expuseram aspectos técnicos e operacionais do PAX, e os benefícios que a implantação do parque devem trazer para o desenvolvimento do RN.

“Esse é o projeto mais ousado que tem hoje no nosso Estado. Precisamos parar de fazer o mesmo e esse é o exemplo que o RN dá certo. Também achei justa e oportuna a homenagem a Augusto Severo. Agora precisamos buscar parceiros e ver até onde a Assembleia pode ajudar para que o Rio Grande do Norte possa evoluir no desenvolvimento de tecnologia”, disse o presidente da comissão, deputado Hermano Morais.

Ângela Paiva explanou que o Parque Científico e Tecnológico do Rio Grande do Norte Augusto Severo estará localizado em uma área de 50 hectares, com vocação inicial nas áreas de energias, reabilitação em saúde e tecnologia de informação e ampla oferta de espaços e serviços para as entidades apoiadoras e empresas. O projeto contará também, em seu ecossistema, com incubadora e aceleradora de empresas, oferta de serviços de propriedade intelectual através da Agência de Inovação da UFRN e de diversos laboratórios de pesquisa e inovação das ICTs associadas.

“O RN tem um ecossistema de inovação distribuído pelo Estado, o que facilita a viabilidade do parque, com o suporte de Instituições Científicas, Tecnológicas e de Inovação (ICTs), como as universidades, o setor produtivo e diversos órgãos públicos. Embora tenhamos a previsão, no projeto, de fisicamente estarmos na cidade de Macaíba, as ações do PAX tendem a beneficiar todas as regiões do Estado, através do que chamamos de células, que receberão apoio sob diversas vertentes do Parque”, explicou Ângela Paiva.

A ex-reitora da UFRN esclareceu que as áreas de interesses iniciais são energias, reabilitação em saúde e tecnologia de informação, todas com competências solidificadas no Rio Grande do Norte.

O diretor da Agência de Inovação, Daniel Pontes, defendeu que o Parque possui uma capacidade de atração de tecnologias muito forte. “O investimento em ambientes com essa capacidade de atração, na qual empresas podem se instalar em uma estrutura física até mesmo customizada para suas necessidades, é uma excelente oportunidade de fomento ao desenvolvimento da nossa região”.

PUBLICIDADE

MAIS ACESSADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS