Desafiar os próprios limites é uma prática constante da vida, dessa que é aproveitada a cada segundo por quem desenvolve o dom de valorizar o ar que entra pelas narinas, mantendo o corpo firme e a mente centrada. Respirar se torna, assim, a unidade entre correr em uma grande maratona e desempenhar as atividades de uma rotina que consome nossa energia.

Os servidores Edvaldo Araújo e Giuliano Maia, da Redação Judiciária do Tribunal de Justiça do RN, decidiram dessa vez experimentar o ar da capital argentina, tendo o prazer de participar da melhor corrida coletiva da América do Sul, eleita pela organização All-Athletics, a Maratona de Buenos Aires.

Em 22 de setembro, o solado gasto nas ruas portenhas representava o fim de uma trajetória que se iniciava meses antes, em uma rotina de buscas pela superação dos extremos.

O ciclo de treinamentos dedicados à Maratona de Buenos Aires durou quatro meses, contando com treinos de rua e uma rotina intensa de musculação e preparação aeróbica. Cumprir aquele percurso, na segunda maior metrópole da América do Sul, foi a maneira que Edvaldo e Giuliano encontraram para coroar o período de empenho que antecedeu o evento. 

Edivaldo Araújo cumpriu o trajeto de 42km na marca de 3 horas 43 minutos 27 segundos. Para ele, a corrida é um esporte solitário, mas também é um momento propício para conhecer o corpo e se encontrar com os próprios pensamentos. O próximo passo do servidor é se preparar para alcançar o índice necessário para participar da Maratona de Boston em 2020.

Giuliano Maia concluiu o percurso em 2 horas 52 minutos e 47 segundos, e já está apto para participar da corrida na cidade mais populosa do estado norte-americano de Massachusetts, a capital Boston.