Uma comitiva formada por representantes do estado da Renânia-Palatinado está propondo uma parceria com o Sebrae do Rio Grande do Norte para dar continuidade aos projetos que permitem, por exemplo, evitar o êxodo rural no semiárido nordestino, como no caso dos biodigestores doados pelo governo alemão e que estão instalados nos municípios de Canguaretama, no litoral sul, e Lajes, no sertão central. A expectativa é que uma nova parceria possa fortalecer ações de desenvolvimento e que fortaleça a manutenção do homem no campo.

O Cônsul Honorário da República Federal da Alemanha, Alex Geppert, esteve na sede do Sebrae, em Natal, acompanhado dos representantes do governo alemão, Thorsten Pollatz e Roland Ricth, e do representante da empresa In Plantar – Meio Ambiente & Engenharia Ltda. A comitiva alemã reuniu-se com os diretores José Ferreira de Melo Neto (Superintendente) e João Hélio Cavalcanti, a assessora técnica, Gilvanise Borba, e o gerente da Unidade de Desenvolvimento Territorial, Angelo Baeta.

Nos últimos oito anos, o governo alemão investiu mais de R$ 13 milhões a fundo perdido em diversos projetos de transferência de tecnologia e qualificação de mão-de-obra no Rio Grande do Norte. Dentre eles, destacam-se a primeira Casa Passiva Modelo da América Latina, instalada na Zona Norte de Natal, em parceria com o Senai-RN, o projeto dessalinização solar do Centro de Tecnologias do Gás e Energias Renováveis (CTGAS-ER) e o Projeto Verena, uma parceria desenvolvida pela Hotel Barreira Roxa com o estado alemão da Renânia-Palatinado, que inclusive foi premiado pelo Ministério do Turismo.

O diretor técnico João Hélio Cavalcanti lembrou que o Sebrae tem projetos desenvolvidos com a Fundação Banco do Brasil, como o de ostreicultura atendendo a um grupo de 30 produtores de ostras em Canguaretama, no litoral sul, com o fornecimento de equipamentos para o cultivo de ostras sem afetar o meio ambiente, nem extrair das raízes do mangue. “Nós oferecemos capacitação para ensinar a esses produtores a criarem sementes e desenvolver a ostra”, exemplifica, lembrando que cada família tem um custo de R$ 22 mil para o projeto.

Outro exemplo apresentado pelo diretor técnico aos alemães foi o de produção agroecológica, tendo sido instaladas quase 700 unidades para a produção de legumes e folhas no sistema orgânico em todo o estado. As famílias receberam capacitação tanto na implantação, como no desenvolvimento da atividade, incluindo a produção e comercialização para o mercado, a partir da criação de feiras agroecológicas em diversos municípios. “O objetivo principal foi de geração de trabalho e renda e manutenção do homem no campo com tecnologia social”, explica.

O gerente da Unidade de Desenvolvimento Territorial do Sebrae-RN, Angelo Baeta, apresentou aos alemães as etapas do Projeto Agronordeste 2019/2020 executado pelo Sebrae. O objetivo do Agronordeste é promover o desenvolvimento setorial e sustentável nos segmentos econômicos priorizados e territórios inseridos em cadeia produtiva e pertencentes às áreas de abrangência do semiárido e biomas do Nordeste. A atuação do Sebrae no Rio Grande do Norte será nos setores da apicultura, caprinovinocultura, galinha caipira, horticultura e piscicultura, incluídos em cadeias produtivas e integrando agronegócio, comércio, indústria, serviços e turismo.

Agência Sebrae de Notícias