Com a escalada do coronavírus, chega a 62% a queda na circulação dos brasileiros no transporte público. É um percentual abaixo de países europeus mais afetados até aqui pela doença, como Itália (87% de perda) e Espanha (88%), mas acima dos Estados Unidos (51%).

Em todo o mundo, houve queda drástica também em atividades como visita a parques e restaurantes/bares/museus (reduções de 70% e 71% no Brasil, respectivamente).

As conclusões são fruto da análise de dados anônimos de localização divulgados pelo Google, obtidos a partir de aparelhos dos usuário. O levantamento traz números de 131 países nos meses de fevereiro e março, quando a epidemia da Covid-19, até então concentrada na China e em alguns locais da Ásia, se disseminou pelos cinco continentes.

O levantamento considera o movimento nos países registrado entre 16 de fevereiro e 29 de março, para comparar com a atividade entre 3 de janeiro e 6 de fevereiro. Foram avaliadas seis categorias: residências, locais de trabalho, estações de transporte público, mercados e farmácias, parques (inclui praças, praias e jardins públicos) e lazer (restaurantes, shoppings, cafés, bares, cinema, museus e teatros).