Uma análise de dados fornecidos pelo COVID-19 Community Mobility Reports, um produto oferecido pelo Google baseado na geolocalização de celulares, mostra que os potiguares estão se dedicando menos ao isolamento do que deveriam. De acordo com as amostras divulgadas pela empresa e analisadas por professores da UFRN, o Rio Grande do Norte tem o quarto maior índice de circulação de pessoas do Nordeste, estando à frente de estados mais populosos como Ceará e da Bahia).

Os Relatórios de Mobilidade da Comunidade do Google se referem ao período de 16 de fevereiro a 29 de março de 2020 e apontam mudanças nos hábitos da população paralelas às políticas destinadas ao combate da COVID-19. Também traçam tendências de movimento ao longo do tempo por região geográfica, levando em conta a circulação de indivíduos em mercados, farmácias, parques ou praias, trânsito, locais de trabalho e residências. 

Os professores Ivanovitch Silva, da Pós-Graduação em Engenharia Elétrica e Computação, e Luciana Lima, do Programa de Pós-graduação em Demografia, ambos da UFRN, mostram que com a ajuda da tecnologia é possível concentrar os esforços de conscientização e medidas de isolamento nos locais de maior urgência. “Essas informações podem ser fontes complementares importantes para entender a mobilidade diária das pessoas”, acredita Luciana.

De acordo com a análise houve um aumento de 20% nos registros de circulação residencial no RN, ou seja, mais pessoas permaneceram dentro de suas casas durante o período de quarentena estadual, determinado a partir do dia 18 de março. A tendência foi seguida por todas as unidades da federação. A redução da circulação de potiguares em parques e praias foi de -74% e acima da média nacional (-70%). 

Com relação ao transporte público, a redução na circulação de pessoas, segundo informações do Relatório de Mobilidade, foi de -66% no Rio Grande do Norte. Nesse quesito, comparando com os outros estados, o RN ocupou a 15ª posição. No que se refere às tendências de mobilidade nos locais de trabalho, o Google indicou uma redução de circulação de -33% para o RN, um valor inferior à média brasileira (-34%).

Com base nos dados fornecidos pelo Google, foi construído um Indicador de Circulação (Circulation Indicator) a partir da área de um gráfico de radar, onde as seis variáveis consideradas pela Google são sobrepostas em um plano polar e constituem um polígono fechado. (Informações sobre o cálculo do indicador podem ser obtidas neste link). 

Os dados, no entanto, não são absolutos, pois leva-se em consideração que a tecnologia celular nem sempre está disponível à população e que a função que permite a captura dos dados nem sempre são habilitadas pelos usuários. As informações são fornecidas pelo histórico de localização dos sistemas Android ou iOS e sob certas condições que permitem que os dispositivos móveis registrem no banco de dados do Google os locais onde o seu celular se encontra de modo anônimo.