Com a retomada das viagens globais no horizonte, começa a ficar evidente que o tipo de vacina recebida pode determinar para onde as pessoas podem ir. A União Europeia planeja permitir a entrada durante o verão de americanos imunizados com vacinas aprovadas pela agência reguladora do bloco, segundo sinalizado pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, em entrevista no domingo ao jornal "The New York Times".

Com isso, pessoas vacinadas com imunizantes das fabricantes chinesas Sinovac Biotech e Sinopharm provavelmente serão impedidas de entrar no futuro previsível, com sérias consequências para a atividade empresarial global e o renascimento do turismo internacional, segundo o Valor Econômico.

Com o avanço das campanhas de vacinação ao redor do mundo, aprovações de reguladores em diversos países e regiões preparam as bases para uma bifurcação global, onde o imunizante obtido pode determinar em quais países as pessoas podem entrar e trabalhar.

Para cidadãos chineses que viajam ao exterior regularmente e ocidentais que desejam buscar oportunidades de negócios na segunda maior economia do mundo, surge o dilema sobre qual opção escolher. Até agora, a China reconhece apenas as vacinas chinesas, e seus imunizantes ainda não foram aprovados nos Estados Unidos ou na Europa Ocidental.