O Ministério Público de Mato Grosso (MPMT) comprou 400 celulares com tecnologia de ponta, que somaram um valor de R$ 2,2 milhões, para serem utilizados por promotores e procuradores de Justiça. Os aparelhos foram adquiridos por licitação que previa a compra de celulares de última geração, como iPhone 11 e Galaxy S10. 

Por meio de nota, o MPMT esclareceu que os notebooks que estão sendo utilizados pelos membros do órgão perderam a garantia e que os contratos para fornecimento de novos computadores de mesa foram encerrados, havendo a necessidade de comprar equipamentos para para substituí-los. O MPMT argumenta, então, que estudos apontaram que, por diversos motivos, a melhor solução seria adquirir celulares de tecnologia de ponta.

“O trabalho remoto tem avançado cada vez mais nos órgãos e instituições do sistema de Justiça, incluindo o Ministério Público, exigindo dos promotores agilidade e versatilidade em sua atuação institucional, realizando despachos e outros procedimentos fora dos seus locais de trabalho. É cada vez maior, por exemplo, o número de audiências judiciais e extrajudiciais realizadas de forma virtual, fenômeno que se intensificou ainda mais com a pandemia da Covid-19”, diz a nota.

O órgão ainda frisou que os estudos mostraram que os celulares, cujos preços são similares aos de notebooks e computadores de mesa, além de oferecerem ferramentas mais modernas e memória maior, proporcionam mais segurança, o que reduz a chance de ataques aos sistemas do MP.

“Com relação ao processo de aquisição, optou-se pelo registro de preços, o que permite a compra dos equipamentos em lotes, de acordo com a demanda que for se apresentando ao longo da vigência do contrato. Foi feita licitação, seguindo o regramento vigente para aquisições pelo poder público”, concluiu.

Fonte: G1