O presidente Jair Bolsonaro fez uma espécie de desabafo nesta terça-feira (29), nas redes sociais. Ele disse que nunca se preocupou com reeleição e que trabalha para reconstruir os milhares de empregos destruídos pela pandemia da covid-19 esse ano.

Bolsonaro criticou a mídia, os adversários e voltou a reprovar a política do "fique em casa que a economia a gente vê depois".

“Ao longo da minha vida parlamentar nunca me preocupei com reeleição. Sempre exerci meu trabalho na convicção de que o voto era consequência dele. Minha crescente popularidade importuna adversários e grande parte da imprensa, que rotulam qualquer ação minha como eleitoreira. Se nada faço, sou omisso. Se faço, estou pensando em 2022”, escreveu o presidente.

Sem citar nomes, Bolsonaro disse que os responsáveis pela destruição de milhões de empregos agora estão calados. “O meu governo busca se antecipar aos graves problemas sociais que podem surgir em 2021, caso nada se faça para atender a essa massa que tudo, ou quase tudo, perdeu”, acrescenta.

Leia na íntegra:

- Ao longo da minha vida parlamentar nunca me preocupei com reeleição. Sempre exerci meu trabalho na convicção de que o voto era consequência dele.

- Minha crescente popularidade importuna adversários e grande parte da imprensa, que rotulam qualquer ação minha como eleitoreira. Se nada faço, sou omisso. Se faço, estou pensando em 2022.

- Na verdade, estou pensando é em 2021, pois temos milhões de brasileiros que perderam seus empregos ou rendas e deixarão de receber o auxílio emergencial a partir de janeiro/2021.

- A política do "fique em casa que a "economia a gente vê depois" acabou e o “depois” chegou. A imprensa, que tanto apoiou o "fique em casa", agora não apresenta opções de como atender a esses milhões de desassistidos.

- Os responsáveis pela destruição de milhões de empregos agora se calam. O meu governo busca se antecipar aos graves problemas sociais que podem surgir em 2021, caso nada se faça para atender a essa massa que tudo, ou quase tudo, perdeu.

- A responsabilidade fiscal e o respeito ao teto são os trilhos da Economia. Estamos abertos a sugestões juntamente com os líderes partidários.

- O Auxílio Emergencial, infelizmente para os demagogos e comunistas, não pode ser para sempre.