Nunca é demais lembrar, em época de eleição, que regime político ou liderança política alguma é capaz de, a curto prazo, levar um povo ao paraíso terreal. Talvez até nos conduza, com certa velocidade, ao purgatório ou ao inferno. Ao paraíso, nunca

Quem mais propôs, pior serviço entregou. Vide os regimes socialistas espalhados pelo mundo, desde 1917, quando os bolcheviques empalmaram o poder na Rússia, até os dias atuais, que apregoavam, em caso de chegada dos trabalhadores ao poder, emprego, casa, comida e escola para todos.

Pois bem, os trabalhadores chegaram ao poder sem chegarem ao poder e burocratas tornaram-se elite política dos regimes paradisíacos, ditando regras e cerceando a liberdade e se refestelando com mamatas e mordomias.

Aos trabalhadores mesmos restou uma dieta (alimentar, política, econômica, cultural, etc) acanhada e a esperança de um dia poder consumir mais e melhor.

Para alienar o próprio povo, os países da cortina de ferro, expressão cunhada por Churchill, logo após o fim da segunda guerra mundial, cerraram as portas. Isso impedia que fosse avistado e apreciado o que era feito no mundo democrático e capitalista. Os teimosos e renitentes recebiam as mais variadas penas.

Basta passar os olhos pelos acontecimentos do passado para que saibamos que o paraíso não existe. É só uma miragem. Porém, alguma coisa do proposto pode ser entregue e, no caso dos países socialistas, é bom lembrar, houve experiências exitosas e elas foram, não restam dúvidas, importantes para a destruição das tiranias que por lá se estabeleceram.

Os países socialistas criaram, com raras exceções, um sistema educacional eficiente e eficaz e foi ele, o sistema educacional, em grande medida, o responsável por entregar as ferramentas para que o povo reconhecesse a miséria, não exatamente econômica, em que vivia. Como consequência, o laboratório construído e aparelhado por lideranças socialistas ruiu.

O Brasil passa ao largo de qualquer experiência socialista e capitalista. Por aqui, temos cortejadores de ambos, porém a nossa elite política e nossa burocracia detesta a liberdade que o capitalismo exige e os nossos socialistas nunca olharam para a educação como algo a ser levado a sério.

O resultado é que vivemos num país isolado, no qual pesquisadores creem ser Tampa de Crush produzindo artigos para engordarem o currículo Lattes e/ou para serem lidos docilmente por colegas, camaradas e companheiros.

O isolamento do Brasil só chegará ao fim quando levarmos educação, da básica a superior, a sério e quando entendermos que produzir conhecimento extrapola os limites das chacrinhas com as quais convenientemente convivemos.