O A-29 “Super Tucano” biplace ou sua versão civil EMB-314 que se envolveu com uma ejeção, na terça-feira (3), no litoral norte de Natal, é equipado com dois assentos ejetáveis modelo “Martin Baker MK 10” de fabricação britânica. De acordo com o site do fabricante, o equipamento já realizou cerca de 800 ejeções com sucesso (801 agora), em mais de 30 anos de operação e conta, atualmente, com 5.500 unidades em uso e em 33 tipos de aeronaves diferentes.

Ele foi desenvolvido ainda nos anos 1970, a partir do modelo MK9 e substituiu, principalmente, o modelo MK8, que era utilizado inclusive no T-27 “Tucano” da FAB, considerado o antecessor do A-29. A maior diferença é que o MK10 é considerado o assento 0-0 (zero de velocidade e zero de altitude), ou seja, ele se mostra eficiente com o avião parado ou no solo. Ao ser acionado, o próprio assento quebra o canopi de acrilíco liberando a passagem.

Em 4 de junho de 2012, por exemplo, um cadete da Academia da Força Aérea perdeu a vida após um acidente a bordo de um T-27 com ejeção involuntária em solo, quando o avião fazia taxi. Ele foi lançado ao ar e o paraquedas não teve tempo de abrir.

Ficha técnica Martin Baker MK 10:

  • Teto de operação: 50.000 ft ou (15.250 m)
  • Velocidade e altura mínima: zero / zero – nível do solo
  • Faixa de massa do tripulante: 69,2 - 112,2 kg

Tripulante estava no assento traseiro (marcado com círculo vermelho). O canopi de acrícilico reforçado é quebrado pelas hastes do próprio assento (detalhe da seta amarela)

 

Quadro a quadro é possível entender como acontece a ejeção 

Veja vídeo completo com as etapas da ejeção do MK10, que pode ocorrer de duas maneira, a primeira com o canopi sendo liberado momentos antes e o outro como ocorre no A-29, em que a cadeira quebra o acrílico.

Link relacionado: Detalhe de outra ejeção - https://www.youtube.com/watch?v=8iIgpKbMsa4