P-47 Aviação e História

Conferência do Potengi: O luto de Roosevelt

Conferência do Potengi: O luto de Roosevelt

Um detalhe que chama atenção na foto histórica de Vargas e Roosevelt, a bordo do jeep, em Natal, é a braçadeira preta no braço direito do presidente americano, que estava de luto pela morte da mãe, a senhora Sara Ann Roosevelt (1854-1941).

Na época as demonstrações de luto demoravam bem mais do que os dias atuais, pois a foto em Natal ocorreu em 28 de janeiro de 1943, enquanto que senhora Sara Roosevelt havia falecido em 7 de setembro de 1941.

A mesma faixa preta pode ser vista no braço do presidente norte-americano, em 11 de setembro de 1941, enquanto ele fazia um pronunciamento à nação. Ao assinar o decreto de guerra contra o Japão, após o ataque a Pearl Harbor, a mesma faixa, em dezembro de 1941.

Assinatura do decreto de guerra contra os japoneses, em dezembro de 1941

Pronunciamento de Roosevelt em rádio, 4 dias após a morte de Sara Roosevelt, em setembro de 1941

FDR e Sara Roosevelt, no ano de 1933

Conferência do Potengi: Natal na galeria histórica da Casa Branca

Conferência do Potengi: Natal na galeria histórica da Casa Branca

Existem alguns fatos que marcaram a história do Governo dos Estados Unidos e alguns deles ocorreram a bordo da aeronave oficial, o famoso Air Force One. Entre esses fatos: o transporte do corpo de John F. Kennedy ou a visita surpresa do presidente George W. Bush, no Dia de Ação de Graças, em 2003, ao Iraque em guerra.

O que pouca gente sabe é que a primeira vez que um presidente americano fez viagem oficial em uma aeronave foi a que passou por Natal, na volta de Casablanca, no norte da África, onde havia conferenciado com o primeiro ministro Winston Churchill. Em Natal, Roosevelt se encontra com Vargas, então presidente do Brasil, no que ficaria conhecido como Conferência do Potengi. Esta viagem coloca Natal na história da Casa Branca.

Boeing B-314 Clipper ancorado no Rio Potengi, em Natal

 

A aeronave em questão era um Boeing B-314 Clipper, com mais de 45 metros de envergadura e 32 metros de comprimento, com quatro motores, que pousou no Rio Potengi. Este avião era bem diferente dos utilizados pela Marinha dos EUA, pois não havia identificação de esquadrão nem mesmo insígnias. No leme havia os dizeres NC 18605, na lateral o nome da Pan American Airway – pois se tratava de um avião emprestado da empresa – e no nariz uma bandeira americana.

Vale lembrar que na época não existia a designação “Air Force One”, pois não existia o serviço oficial de transporte que só foi criado posteriormente, quando um C-54 Skymaster foi modificado. Na administração Truman adquiriu-se uma C-118 Liftmaster, batizada de “Indepence”. A designação Air Force One ocorreu apenas na administração Eisenhower após problemas de prefixo que se confundiu com um avião civil. Então, desde 1953, sempre que um presidente embarca em uma aeronave, esta passa a ter a designação especial e com prioridade de voo.

Outra curiosidade é que o presidente comemorou seus 61 anos a bordo do avião, quando retornava do Brasil, em 30 de janeiro de 1943.

Essa história do primeiro voo é contada em diversos documentários envolvendo o Air Force One, e um deles está no link abaixo:

Conferência do Potengi: 77 anos e poucos lembram

Conferência do Potengi: 77 anos e poucos lembram

O dia 28 de janeiro de 2020 marcará os 77 anos da Conferência do Potengi, quando os presidentes brasileiro e americano, Getúlio Vargas e Franklin Delano Roosevelt, respectivamente, se encontraram em Natal, no ano de 1943, para discutir os rumos dos seus países na segunda guerra mundial.

A Conferência serviu para o Brasil definir de vez seu papel na guerra, oferecendo o envio de tropas para combater no front, no que seria conhecido como Força Expedicionária Brasileira (FEB).

Após 77 anos, a data nunca teve o devido reconhecimento das autoridades. O acordo aqui firmado pode ser considerado o mais importante envolvendo o Ministério das Relações Exteriores, e teve Natal como palco principal. Há 10 anos, um pequeno grupo que um dia foi a Fundação Rampa realiza uma simples homenagem com um passeio de jeep pelas ruas da capital potiguar, num esforço de não deixar a memória morrer.

Este ano, o trajeto percorrerá as ruas da Ribeira, Petrópolis e Tirol, encerrando em Parnamirim, onde a prefeitura municipal está viabilizando o Centro Cultural Trampolim da Vitória.

Serviço:

O que? Conferência do Potengi;

Quando? 28 de janeiro de 2020

Onde? Rampa (bairro de Santos Reis)

Horário? Comboio parte às 15h

Agência Espacial Brasileira homenageia Augusto Severo

Agência Espacial Brasileira homenageia Augusto Severo

A Agência Espacial Brasileira (AEB) batizou o Centro de Vocação Tecnológica Espacial (CVT-E) com o nome do potiguar aeronauta Augusto Severo, em solenidade na tarde da quarta-feira (22), em Parnamirim. A justa homenagem contou com a presença de familiares da família Severo, representantes da AEB e do Centro de Lançamento Barreira do Inferno (CLBI).

Augusto Severo morreu em 12 de maio de 1902, a bordo do balão PAX (sua invenção), em Paris. Ele é considerado um mártir (o primeiro) da tecnologia aeronáutica pela Força Aérea Brasileira, o que justifica a homenagem.

Placa em homenagem a Augusto Severo que permanecerá no CVT-E (Foto: Beatriz Vital)

Detalhe dos dizeres da placa (Foto: Beatriz Vital)

CVT-Espacial

CVT-Espacial é uma iniciativa da AEB inserida no Programa de Apoio à Implantação e Modernização de Centros Vocacionais Tecnológicos do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), desenvolvido em parceria com o CLBI, com apoio do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA).

Estrutura do CVT-E na Barreira do Inferno

Da esq para a dir: Fred Nicolau, Marcelo (Gallopin Ghost), cel Paulo Junzo, José Reinaldo e Leonardo Dantas

Faltou comida em Natal durante a guerra?

Faltou comida em Natal durante a guerra?

A resposta para o título do post é sim. E também faltou água e cigarros. Sempre que as pessoas falam sobre o desenvolvimento econômico que a cidade obteve durante a presença americana em Natal, sempre é bom lembrar o preço que os natalenses tiveram que pagar para a roda da economia girar. Vale lembrar que antes da guerra, a cidade era pacata e com pequenos comércios pelas Ruas da Ribeiras e poucas fábricas (quase sempre de manufatura ou beneficiamento de produtos primários).

Enquanto os comerciantes enchiam os bolsos de dólar, a população local teve que conviver com uma verdadeira briga monetária, já que os produtos desapareceram das prateleiras devido a grande procura, colocando em prática a teoria da lei de mercado, quanto maior a procura e menor a demanda, maior será o preço daquele bem.

Para corroborar com o relato, o blog teve acesso a um documento americano intitulado “Revelações que agora podem ser públicas” em inglês “Revelations which can now be made public”. Trata-se de parte de um documento maior, no qual os militares americanos reuniam as notícias publicadas em jornais da época e passavam para os respectivos setores militares, entre eles a inteligência dos quartéis. Neste em especial, o documento é assinado pelo capitão Jerome Miller e traduzido por Robert Corrigan, que pegou as informações originais do texto de “O Diário”, assinado pelo repórter correspondente da Agência Meridional em Natal, Edilson Varela, de 6 de junho de 1942 ou 1943.

Ele começa o relato falando da quantidade de americanos ou pessoas de fora envolvidas na construção de Parnamirim Field, o que poderia representar o dobro da população à época, de 50 mil habitantes. Mais à frente ele cita que eram 14 mil visitantes, o quais eram avistados com frequência nas ruas e hotéis. Era tanto estrangeiro que as empresas aéreas, construtoras e o Governo Americano, tiveram que montar “staff house”, ou seja, alugavam casas para seus funcionários. Entre as mais famosas estava a staff house da Pan Am, que ficava no terreno da Escola Doméstica, na avenida Hermes da Fonseca.

A inflação dos produtos foi inevitável. A carne bovina se tornou cada vez mais difícil de se encontrar e o ovo, que antes era comercializado a 200 reis, disparou para 1 mil reis. O repórter comenta que era difícil para o cidadão da classe média sobreviver naquele tempo em Natal. Os cigarros americanos eram produtos com alta procura e se tornou moeda de troca no comércio, quando os trabalhadores traziam pois recebiam dos americanos, em Parnamirim. Para remediar o problema, o Exército Americano tentou trazer o maior número possível de produtos por aviões.

A situação se complicou com a falta de água, tanto para a produção de hortifrútis como consumo humano. Em determinado momento, uma peça do equipamento que fazia a distribuição da água quebrou e não havia peça de reposição. Por alguns dias, o consumo teve que ser reduzido.

Abaixo o relato transcrito pelos americanos:

Por que o prédio se chama Rampa?

Por que o prédio se chama Rampa?

Por que o prédio histórico às margens do rio Potengi se chama “a Rampa”? Sempre me perguntam isso e a resposta é a mais simples possível: porque no local existe uma rampa. Isso mesmo, por causa de um simples declive que dá acesso do terreno ao rio. Acontece que quando os hidroaviões operavam a partir do local, precisavam passar por manutenção e o acesso à terra se dava pela rampa de concreto.

O local foi palco da foto mais famosa de Natal no período da segunda guerra mundial, reunindo os presidentes Vargas e Roosevelt, a bordo de um jeep, tendo cenário os arcos da edificação, construída em 1942. Originalmente, o prédio fazia parte de um complexo construído pela Pam Na para receber aeronaves civis oriundas dos Estados Unidos e teve sua construção financiada pelo Airport Development Program (ADP).

Detalhe da rampa de concreto utilizada na manutenção das aeronaves

Oficialmente, com a entrada do Brasil e dos Estados Unidos na guerra o nome do local passou a ser Base de Hidroaviões da Marinha dos Estados Unidos, sendo que alguns militares que passaram por aqui no período, também, conheciam como prédio de arcos, devido as características arquitetônicas do local.

Com o fim do conflito bélico, todas as instalações americanas passam para o Governo Brasileiro, que por sua fez transfere a responsabilidade sobre a Rampa para a Força Aérea Brasileira, que a converte em Clube dos Oficias da Aeronáutica. Em algum momento, não se sabe quando com certeza, os natalenses apelidaram carinhosamente de Rampa.

Blogs

Natal tem noite chuvosa com trovões e relâmpagos